Jardim da Casa Ibérico Nogueira

Situada no coração da vila de Santar, a Casa Ibérico Nogueira é um bom exemplar de casa beirã urbana com passado agrícola. Construída em granito, tem dois pisos e sótão. Inicialmente, o piso térreo correspondia a dependências agrícolas e o primeiro piso servia de residência aos senhores da casa. Ao que tudo indica, esta construção é de inícios do século XIX. A casa e a quinta que lhe está associada seriam adquiridas por escritura pública, em 1900, por Manuel Joaquim dos Santos, bisavô paterno dos atuais proprietários. A sua filha Maria Celeste casou com António Ibérico Nogueira em 1914 e recebeu a casa como presente de casamento dos seus pais onde o casal passou a habitar até que a dada altura passou a ser usada como casa de férias da família. O seu neto, Francisco, distinto médico da Universidade de Coimbra casado com Maria Emília Osório do Amaral e Sousa Pinto da Cunha Mora, da Casa de Almeidinha, introduziu várias melhorias na casa na década de 1960 e novamente na década de 1980. Após a morte de Francisco Ibérico Nogueira, em 2009, a propriedade de raiz da Casa dos Linhares foi herdada pelo seu filho João, passando o respetivo usufruto a ser partilhado com vários dos seus irmãos.

A partir do pátio atrás da casa, tem-se uma imensa vista quer sobre as novas hortas instaladas no âmbito do projeto Santar Vila Jardim quer sobre a Casa dos Condes de Santar e Magalhães, com a Serra da Estrela ao fundo.

O percurso oferecido ao visitante inicia-se nos Linhares, pertencente e fronteiro à Casa dos Condes de Santar e Magalhães. O Jardim Ibérico Nogueira situa-se numa quota mais elevada em relação aos Linhares, em suave declive, com cerca de 8500 m2, é composto por pomares e hortas, confinados por videiras, onde se promove a agricultura biológica e o cultivo é da responsabilidade de alguns santarenses. Uma pérgula de glicínias, em estrutura de granito e ferro, foi construída para unir este jardim e o Jardim dos Linhares a sul e assim permitir a circulação dos visitantes e utilizadores das hortas.

Iberico Nogueira 01
Iberico Nogueira 02
Iberico Nogueira 03
Iberico Nogueira 04
Iberico Nogueira 05
Iberico Nogueira 06
Iberico Nogueira 07
Iberico Nogueira 08
Iberico Nogueira 09
Iberico Nogueira 010
Iberico Nogueira 011
Iberico Nogueira 012
Iberico Nogueira 013
Iberico Nogueira 014
Iberico Nogueira 015
Iberico Nogueira 016
Iberico Nogueira 017
Iberico Nogueira 018
Iberico Nogueira 019
Iberico Nogueira 020
Iberico Nogueira 021
Iberico Nogueira 022
Iberico Nogueira 023
Iberico Nogueira 024
Iberico Nogueira 025
Iberico Nogueira 026
Iberico Nogueira 027
Iberico Nogueira 028
Iberico Nogueira 029
Iberico Nogueira 030

A Horta

A Horta de Santar Vila Jardim, contígua aos jardins de Linhares, idealizada pelo Arq. Paisagista Fernando Caruncho, é um espaço que remete o visitante para um percurso que conjuga as culturas tradicionais agrícolas com culturas recentemente introduzidas na culinária portuguesa e mais contemporâneas, em que a vinha se faz sempre presente e estabelece a ligação entre elas.

Este espaço, que ocupa na sua totalidade aproximadamente 0,6ha é constituído por 17 parcelas com temáticas de horta, Pomar e plantas aromáticas culinárias. Todas as parcelas são bordeadas por vinha.

Todo o conjunto é gerido de forma a acompanhar as melhores medidas ecológicas, privilegiando os métodos utilizados em agricultura biológica, nomeadamente no que respeita aos tratamentos fotossanitários. O agrupamento de plantas hortícolas dentro de cada parcela respeita o “bom” companheirismo das culturas, bem como a rotação sustentável na sucessão de culturas, e toda a atividade hortícola tradicional acompanha o calendário lunar.

Numa perspectiva de inclusão dos habitantes da localidade neste projeto foram atribuídas quatro parcelas a famílias locais que sob orientação de um engenheiro agrónomo praticam agricultura tradicional em moldes biológicos nessas mesmas parcelas.

O pomar é constituído por 4 parcelas distintas, uma com pomodeias – macieiras e pereiras, uma com prunoideias – ameixeiras e damasqueiros, outra com romanzeiras e uma quarta com frutos vermelhos, nomeadamente mirtilos e groselheiras.

A temática horta ocupa 10 parcelas, 5 destinadas a hortícolas anuais e as restantes 5 destinadas a hortícolas permanentes. No que respeita ás hortícolas anuais privilegiam-se as variedades regionais. De entre as culturas permanentes o visitante irá encontrar espargos, alcachofras, morangueiros entre outras.

As plantas aromáticas culinárias, hoje em dia indispensáveis, estão distribuídas numa parcela onde o visitante poderá usufruir de uma explosão de aromas que o remeterão para um ambiente quente mediterrâneo. De entre outras poderá experienciar os aromas dos tomilhos, orégãos, manjerona, segurelha e cebolinhos.